Share on facebook
Share on twitter
Share on email

BMW C400 GT combina conforto e potência

A maxiscooter alemã mostra agilidade e praticidade na cidade e muito conforto e potência na estrada

             Há alguns anos a BMW (início de 2000) lançou uma scooter peculiar com carenagem, a C1, que trazia para-brisa, assento com encosto, uma estrutura sobre a cabeça do condutor e até cintos de segurança, itens que a tornavam apta a ser dirigida sem capacete. Esse modelo acabou não sendo importado para o Brasil porque a marca alemã não conseguiu sua homologação sem o uso obrigatório do capacete – o que contrariava toda o conceito do veículo.

                Em outros países onde foi vendida, não era incomum os agentes de trânsito lavrarem uma multa porque elas olhavam e viam uma motocicleta. O modelo tinha outras desvantagens, como ser muito pesado e pouco prático para apoiar os pés no chão quanto parado. Tanto que a BMW Motorrad só insistiu na ideia por três anos.

                Mais tarde vieram os novos modelos da linha C, desta vez mais convencionais. A motorização inicial era de 600 cm³ e também eram grandes e pesados, quase disfuncionais para o uso citadino. Parece que aí a marca começou a entender que um veículo urbano deve ser fácil de dirigir, leve e divertido. Foi assim que criou a BMW C 400 em 2018, com duas versões, Sport e GT. Ambas compartilham toda a parte mecânica e só se diferenciam entre si na configuração aerodinâmica e na vocação: a Sport é mais indicado para o uso urbano por ser mais leve e despojada, enquanto a GT, versão testada, se dá melhor na estrada pois oferece melhor aerodinâmica e mais conforto para piloto e passageiro.

                Embora ambos os modelos produzam uma sensação de condução praticamente igual, a C 400 GT ganha em dimensões pela carenagem de maiores proporções, que está disposta de forma a reduzir a turbulência para o piloto e o passageiro em velocidades mais altas. As formas dianteiras mais agudas conseguem desviar o ar para que o ruído e o movimento do ar não sejam um problema para os passageiros. Outro ponto que incrementa bastante o conforto é o formato e maciez do imenso assento. A posição de dirigir, de uma forma muito simples, oferece duas configurações, seja sentado de forma convencional ou esticando as pernas, apoiando-se nos plásticos do escudo.

                Outro ponto positivo é a interação oferecida pelo painel, composto por um velocímetro analógico e uma pequena tela digital em LCD – opcionalmente pode ser uma tela TFT, que traz todas as informações necessárias. Os controles nos punhos têm localização bem tradicionais e a manoplas são aquecidas. A ignição é presencial, basta se aproximar e pressionando o botão.

                A parte mecânica desse modelo é a mais simples entre todos os modelos da BMW Motorrad. Mesmo em relação à G 310, que são feitos com a TVS indiana. O motor é um monocilíndrico de 350 cm³, que desenvolve 34 cv de potência, com um torque de 3,6 kgfm, gerenciado por uma transmissão CVT. A altura do assento é de 76 cm, enquanto o peso na ordem de marcha permanece em 212 kg. De acordo com a marca, ele alcança até 140 km/h e um consumo de uma eficiência de combustível de 28,6 km/l. O tanque de combustível recebe apenas 12,8 l, mas autonomia chega a 365 km. (José Luiz Ruiz/Autocosmos.com/México – Exclusivo no Brasil para Auto Press)

Impressões ao pilotar

Devagar e sempre

                As carenagens da C 400 GT incrementam bastante o conforto dos passageiros e a qualidade da viagem a ponto de permitir encarar longas quilometragens sem enlouquecer. Apesar de não ser tão magrinha quanto rivais diretos, a aceleração é muito boa em baixos giros. Já em rotações médias e altas, ela empurra muito pouco. Isso não significa que seja lento, mas é preciso persistência para chegar aos 140 km/h prometidos.

               Mesmo quando se tenta alcançar os limites do modelo, o comportamento da C 400 é sólido e sem vibrações. Mas é preciso medir muito bem as distâncias no caso de se precisar uma energia um pouco maior para uma ultrapassagem. Decididamente, não é um modelo para quem quer andar muito rápido, mas cai bem se a ideia é desfrutar o caminho com segurança. O peso do modelo impõe uma certa calma nas retas, mas as curvas são muito divertidas, com inclinações improváveis de encontrar em um veículo como este. A segurança é obviamente parte das motos alemãs e a C 400 GT possui freios ABS e controle de estabilidade.

                Em uma viagem com duas pessoas, a scooter oferece conforto, mas obviamente a entrega de energia é penalizada, mas é possível manter uma velocidade de cruzeiro de 120 km/h sem problemas. Já na cidade, ela se torna uma ótima ferramenta de mobilidade, embora as dimensões dificultem passar entre os carros. A BMW C 400 GT é um bom veículo pessoal e urbano, com excelente manuseio, mas oferece espaço de carga sob o assento adequado para apenas um capacete de rosto. É estranho, no entanto, ter tanta carenagem tão poucos lugares para armazenar as coisas.