Share on facebook
Share on twitter
Share on email

Teste do novo Renault Zoe, que chega no 2º trimestre

Alma renovada

Novo Renault Zoe chega ao Brasil no segundo trimestre com novo visual, maior autonomia e recarga mais rápida

    O Renault Zoe sempre foi um carro extremamente agradável de conduzir, mas penava com o limite de autonomia baixo, imposto pela capacidade da bateria. Na nova fase do compacto da marca francesa, inaugurada no final de 2019, o modelo passou por uma renovação visual, ganhou novo interior e passou a contar com uma bateria com capacidade 25% maior, de 52 kWh. Com isso, seu alcance passou de regional para nacional, o que o ajudou a se firmar como o carro elétrico mais vendido da Europa em 2020, à frente do Tesla Model 3 e do Volkswagen ID.3. Também ganhou maior nível de potência, com versões de 110 cv com 23 kgfm e 135 cv com 25 kgfm. A versão atualmente vendida no Brasil traz as especificações anteriores, com bateria de 41 kWh, 92 cv de potência e 22,4 kgfm de torque. Mas o novo Renault Zoe será apresentado por aqui ainda neste segundo trimestre de 2021.

Nesta renovação técnica, outro elemento que ajuda a ansiedade na hora de enfrentar trechos mais longo é o aumento da capacidade do carregador interno, com 22 kW, bem superior ao de 7,4 kW presente em quase todos os seus rivais. O sistema, chamado de Camaleão, se adapta à fonte de energia para extrair o máximo de potência possível. Ou seja: o sistema tem uma velocidade de carregamento até três vezes maior e pode ser totalmente recarregado em pouco mais de duas horas.

Esteticamente, o novo ZOE foi refinado com um belo face-lift, mas que não revolucionou a linha, tradicionalmente mais apreciada pelo público feminino do que pelo masculino. O design limpo ganhou uma frente mais agressiva, com para-choques com reentrâncias mais marcadas para o farol de neblina e grade inferior maior. A assinatura em led agora desenha todo o contorno do conjunto ótico. Já a traseira permaneceu praticamente inalterada. Apenas as subdivisões internas da lanterna foram alteradas.

O interior foi redesenhado, ficou ainda mais bem cuidado, com bom espaço disponível e racionalidade de instrumentação de alto nível. Os revestimentos são simples e buscam uma estética mais despojada. A central multimídia opcionalmente pode tomar um formato verticalizado, como um tablet, com uma tela “touch” de 9,3 polegadas. O painel totalmente digital também ficou maior. Um detalhe bem conveniente é o bico central da fonte de alimentação sob a logomarca, que permite estacionar com uma frente voltada para a estação de carga. A visibilidade é sempre boa e tanto o espaço na frente quanto atrás de dois ocupantes são realmente generosos. No Brasil, o Zoe atualmente é vendido em duas versões de conteúdo, com valores de R$ 203 mil e 205 mil. Mais barato que o Zoe renovado na Europa, que está sendo oferecido a partir de 32.500 euros, o equivalente a R$ 216 mil.
(Reportagem de Carlo Valente, do Infomotori.com/Itália, exclusivo no Brasil para Auto Press)

 

Impressões ao dirigir

Brinquedo elétrico

Esteticamente, o Renault Zoe parece um carro doce e gentil. Na estrada, por outro lado, mostra um temperamento agradável, muito bem assentado no chão e com um desempenho tipicamente elétrico, real e respeitável, com acelerações bem vigorosas. No modo Eco, o Zoe consegue alcançar facilmente a autonomia prometida – em ciclo WLTP, majoritariamente urbano, 395 km em época de calor e 250 km em baixas temperaturas. Mas se for o caso de explorar toda a potência, o modelo chega aos 135 km/h com extrema facilidade e em grande silêncio.

Fácil de estacionar graças a uma excelente direção, boa frenagem que pode ser ajudada pela seleção B, que aciona o sistema de frenagem regenerativa, que recupera energia quando se alivia a pressão no acelerador. É possível controlar a velocidade do carro sem acionar o pedal de freio. Graças ao baixo consumo e à bateria de 52 kWh, o limite de 300 km agora é um objetivo simples de alcançar, mesmo se divertindo um pouco com o torque instantâneo que o modelo oferece e sem ter cuidado para não exceder 100 km/h na autoestrada. Comparado aos carros elétricos mais famosos e caros, o Zoe possui maior autonomia.